sábado, 9 de dezembro de 2017

Vandalismo


Num curto espaço de tempo, pela terceira vez as instalações do nosso Salão Paroquial, na Travessa das Baptistas, foram vandalizadas.

Recordamos que neste espaço: decorre a Catequese de todos os nossos grupos, por onde passam semanalmente mais de 200 crianças, adolescentes e jovens; os nosso Escuteiros desenvolvem aí as suas actividades, mobilizando largas dezenas de crianças, adolescentes e jovens; as nossas Conferências Vicentinas apoiam mais de 150 Famílias carenciadas, de forma habitual; decorrem as aulas de guitarra portuguesa do Mestre Chaínho; ensaia a Tuna da Universidade Sénior de Grândola, etc.

No primeiro acto de vandalismo, saltaram o muro, e forçaram duas fechaduras, que tiveram de ser substituídas; no segundo, arrancaram um tudo de PVC das descargas de água; no terceiro, que decorreu esta noite (09 de Dezembro), arrancaram e partiram os tubos da descarga de água, arrancaram as portas da máquina de ar condicionado, que também dá a impressão de ter sido alvo de uma tentativa de roubo. Ficam algumas imagens deste acto.

Lamentamos estas situações, cada vez mais frequentes e esperamos que, quem de direito, actue. Deste último acto foi feita participação à GNR.





quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

As pessoas de boa vontade



O papa João XXIII, numa das suas encíclicas mais emblemáticas, “Pacem in Terris” (1963), incluiu, pela primeira vez, entre os destinatários de um documento deste género, “as pessoas de boa vontade”.

Tal expressão constituiu uma viragem coperniciana, consolidada no Concílio Vaticano II. A Igreja abriu-se ao Mundo, reconhecendo o que de bom nele existe, sem esquecer, o mal e o pecado. Tudo o que é humano lhe interessa e, por isso, assumindo uma postura próxima e humilde, ela está disponível para contribuir na edificação deste Mundo, que Deus ama, e deseja mais justo, fraterno e solidário, e, simultaneamente, está recetiva para receber e aprender com ele.

Esta expressão do papa era reveladora da sua mundividência, fruto de vivências em diversos contextos políticos, sociais e religiosos, e constituiu um reconhecimento tácito da existência de tantos homens e mulheres extraordinários, cheios de humanidade, mesmo se neles não habita a semente da fé. Desafio os nossos leitores a pegarem no n.º 16 da Lumen Gentium, do Concílio Vaticano II, do qual citarei alguns trechos: Depois de falar do respeito que nos merecem os nossos irmãos mais velhos na fé, os judeus, o documento refere-se ao islamismo. De seguida, valoriza a proximidade “daqueles que buscam, na sombra e em imagens, o Deus que ainda desconhecem (…),” mas que quer que “todos os homens se salvem”. Muitos deles procuram “a Deus com coração sincero”, e esforçam-se, “por cumprir a Sua vontade, manifestada pelo ditame da consciência, (…)”.  Mas Deus não exclui, sequer, aqueles que “sem culpa não chegaram ainda ao (seu) conhecimento explícito”, mas se esforçam “por levar uma vida reta”. Estes são os homens e mulheres de boa vontade, e há tantos espalhados por este Mundo e pelo nosso Alentejo!

Que nós cristãos não nos esqueçamos que o Cristianismo é um humanismo aberto à transcendência, dizia-nos o papa Bento XVI, e que o amor ao próximo é condição e exigência do autêntico amor a Deus.


Pe. Manuel António Guerreiro do Rosário
in Diário do Alentejo, 07 de Dezembro de 2017



sábado, 18 de novembro de 2017

Melhorar a qualidade das nossas democracias



Esta frase ficou-me na memória desde que a li, há anos, num documento do papa João Paulo II. No rescaldo das eleições Autárquicas, pareceu-me oportuno refletir a partir dela.

Não tenho dúvidas em afirmar, olhando retrospectivamente para a história da humanidade, que a democracia é um dos menos imperfeitos sistemas políticos que viram a luz do dia. Contudo, nas diversas latitudes e longitudes, ao longo dos tempos, houve alguns desvios e degenerescências, pelo que faz todo o sentido a afirmação do papa João Paulo II.

A democracia, como sabemos, afirma a igualdade essencial entre todos os seres humanos e baseia-se no direito/dever de escolher aqueles que se propõem estar ao serviço da Res Publica. São Tomás de Aquino (século XIII) tinha em tão elevada consideração a atividade política que achava que a ela se deveriam dedicar apenas os “melhores”, ou seja, aqueles que, pela sua humanidade, qualidade e dedicação, estavam imbuídos do desejo de servir o bem das pessoas e da inteira comunidade.

Se o suporte da democracia é a participação dos cidadãos, em especial, através do voto, recusar-se a votar, por razões tantas vezes banais e egoístas, é demitir-se de intervir na vida da comunidade, uma espécie de “lavar as mãos” que conduz ao descrédito e ao esvaziamento da atividade política. Creio que ninguém deverá ficar insensível às excessivamente elevadas taxas de abstenção. Eu não fico e, por isso, enquanto sacerdote, responsável de comunidades cristãs, nunca deixei de votar e de apelar ao voto, como forma de intervenção na vida comunitária.

Na verdade, um cristão não deve alhear-se da vida da comunidade, porquanto a fé se vive neste mundo concreto que Deus ama e quer mais justo, fraterno e solidário. E se é verdade que a participação não se esgota no voto, este é um dos seus elementos essenciais. Ninguém terá, pois, legitimamente direito a criticar quem governa, se se recusa a cumprir este dever de cidadania.


Pe. Manuel António Guerreiro do Rosário
in Diário do Alentejo, 10 de Novembro de 2017



terça-feira, 14 de novembro de 2017

Servir as pessoas e o bem comum


Uma das virtualidades da Democracia é precisamente o poder de escolher e de decidir sobre a continuidade ou alternância daqueles que governam, o que implica que os cidadãos não abdiquem de participar nas eleições e de exercer este direito que faz toda a diferença, porque cada pessoa conta, e a sua opção é fundamental para orientar os rumos da governação, quer se trate de eleições de carácter local, nacional, ou europeu. Se não ficarmos satisfeitos com o resultado da governação, na próxima legislatura poderemos mudar o sentido do nosso voto e escolher outros que, na nossa opinião, sejam mais competentes e dêem garantias de servir melhor. Ninguém deveria, por isso, abdicar deste direito e simultaneamente dever, um dos grandes bens e sustentáculo da nossa civilização.

Esta crónica enquadra-se, como é lógico, neste tempo em que nos encontramos, depois do frenesim das eleições e das tomadas de posse de todos quantos foram eleitos para os diversos órgãos autárquicos, e em que a vida volta ao seu ritmo normal.

São muitas as legítimas expectativas de quem elegeu e de quem foi eleito e investido em autoridade no exercício do Poder Local. Há, contudo, uma convicção e um valor que importa reconhecer nestas eleições: pela maior proximidade em relação às populações e às suas reais necessidades, espera-se que quem exerça este poder, procure primar pelo serviço às pessoas e ao bem comum.

Recordo a este propósito uma frase do Papa João Paulo II: "devemos melhorar a qualidade das nossas democracias". A melhoria das nossas democracias passa, não tenho sobre isso qualquer dúvida, pelo envolvimento dos cidadãos na Res Publica e pela capacidade de cada um, e dos eleitos em especial, de abdicar dos seus interesses e dos interesses particulares e de grupo, interesses tantas vezes egoístas e hedonistas, e se empenhar na promoção do bem maior de toda a comunidade. Se há, pois, uma palavra que para mim deve definir a missão de governar é a palavra: Serviço. Requer-se, pois, de todos quantos foram eleitos que não se esqueçam de quem os elegeu e dos objectivos para os quais foram eleitos, e sirvam. Não se sirvam!

Sei que não é fácil nem simples fazer passar esta mensagem, mas, pela minha parte não desisto, antes persisto, enquanto cidadão que procura contribuir para o bem comum, em acreditar nas pessoas, nos projectos em que se envolvem, e na mudança das mesmas, se, de facto, forem homens e mulheres de bem, humanistas e solidários.

Não posso, de modo nenhum, concordar e alinhar com aqueles que nada propõem e se limitam a criticar esterilmente, atitude que não traz nada de positivo e antes é reveladora de uma forma de imaturidade política que não ganha raízes nem dá frutos palpáveis e de eficácia, em favor das populações.

E também desejável que se consiga, como tenho insistido tantas vezes, governar com um horizonte de carácter conjuntural e mesmo estrutural, e não apenas traçar objectivos que se esgotem numa legislatura. O conceito e a realidade de bem comum, que todos os que governam deveriam ter bem claro, exige consensos alargados e objectivos bem delineados, para não se cair em opções populistas, sem continuidade nem critério, em medidas avulsas e misantropas, que não têm consequências benéficas e de continuidade na vida das populações.

Desejo para todos os que foram eleitos, um mandato frutífero a todos os níveis, e garanto, como tradição profundamente arreigada no Antigo e no Novo Testamentos, a oração da comunidade cristã, para que cresçamos todos em maturidade democrática, nos desenvolvamos não apenas económica mas também social e humanamente, sempre no respeito das legítimas diferenças.

Como homem de fé e de esperança, insisto, acredito nas pessoas e quero continuar a acreditar nas virtualidades da Democracia, como o menos imperfeito dos sistemas de governo que o ser humano criou.


in Ecos de Grândola, nº 307, 10 de Novembro de 2017